Bem-Vindo(a) ao Saikai!
Registre-se para ter acesso a todos os fóruns do RPG e poder interagir com os players. Usuários também podem criar fichas e iniciar seu personagem na história.
Login Registrar-se

Foto

[Filler - D] Lembranças - Mitsuya



  • Por favor, inicie sesión para responder

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

#1
Fuera de línea
em Qua Ago 02, 2017 2:18 pm


avatar


Lembranças
Tipo de Missão: Filler
Rank: D
Integrantes: Mitsuya
Vila: Midorigakure
Recompensa: Filler D - 15 XP, 150 Ryous
Rolamento de Aparição: Sim
Narração: Sem Narração
Objetivo: O passado é uma coisa que sempre retorna para puxar o nosso pé, e como não tem como evitar os fantasmas do passado, dessa forma o despertar do Sharingan de Mitsuya sempre passa em sua cabeça como um filme, devido a grande importância do ocorrido, cerca de cinco anos atrás.

Código:
[quote][b]Lembranças[/b]
[b]Tipo de Missão:[/b] Filler
[b]Rank:[/b] D
[b]Integrantes:[/b] Mitsuya
[b]Vila:[/b] Midorigakure
[b]Recompensa:[/b] Filler D - 15 XP, 150 Ryous
[b]Rolamento de Aparição:[/b] Sim
[b]Narração:[/b] Sem Narração
[b]Objetivo:[/b] O passado é uma coisa que sempre retorna para puxar o nosso pé, e como não tem como evitar os fantasmas do passado, dessa forma o despertar do Sharingan de Mitsuya sempre passa em sua cabeça como um filme, devido a grande importância do ocorrido, cerca de cinco anos atrás.[/quote]

Ver perfil do usuário

#2
Fuera de línea
em Qua Ago 02, 2017 3:26 pm


avatar






Unconditionally




Pouco sabe-se oque aconteceu naquela noite estrelada e, na verdade, aqueles poucos que continham as informações permanecem em silêncio - praticamente nenhum deles se atrevem à ir contra o atual regime militar imposto em Midorigakure; não, não os odeie, são simples homens e homens tendem a errar, a falhar, por sua vida ou pela vida daqueles que são importantes para ele. Uma única escolha, a honra, todo a glória destruída, vidas perdidas.

...

O dia em questão havia começado frio. Ainda era inverno - dezembro, dia onze. Os céus, embora azulados, estavam cobertos por todas aquelas fofas nuvens; Mitsuya costumava deitar-se no chão de sua varanda para observa-las por muito tempo, na verdade, observar suas mudanças e características eram suas únicas preocupações -a vida era boa, embora uma guerra estivesse à espreita. Tudo mudaria tão brevemente e a pobre criança mal sabia oque aconteceria.

Mitsuya fora o último filho de sua mãe, uma nobre do clã. O garoto tinha cerca de três irmãos, dentre eles, uma em especial que ele mais apreciava - Kaya. Sua aparência divergia dentre todos os outros, parecendo-se com o de seu Pai. Era uma garota emotiva, esforçada, determinada e sonhadora - se bem me lembro, sempre tocava em assuntos baseados no poder do clã, ela queria, no mínimo, ter algumas responsabilidades para com o clã. Totalmente o contrário do que é hoje.

Seus outros irmãos, todos mais velhos - cada um deles com mais de dezessete anos de idade, já haviam sido escalados para a guerra. Eles não voltavam à dias e, muitos vizinhos naquele tempo imaginavam o pior, embora mal comentassem. Quer dizer, você não falaria para uma mulher tão depressiva que seus filhos mais velhos haviam morrido, certo? E, de qualquer jeito, somente de falar em assuntos como aquele, poderia resultar em punições. A morte do Midorikage trouxe muitos problemas.

Com a guerra perdida, os poucos sobreviventes juntaram-se no que poderia ser uma milícia. Midori entrava em seus dias negros e, todos aqueles que não se rebaixassem, seriam mortos - todos.

De imediato, os Uchiha, embora com grandes desfalques, decidiram participar da "nova ordem". O avô de Mitsuya era o líder daquele esquadrão e, seu pai, ainda temeroso e pensativo, parecia ficar de longe, embora, consequentemente, acabou por seguir as ordens de seu sogro. Tudo isto chegou ao fim quando novas regras foram implementadas - seria criado um novo esquadrão com as melhores crianças. Kaya havia sido escolhida como uma delas e, bem, o Clã não aceitou nenhum pouco bem aquilo.

Não se sabe ao certo como começou, ou quando, mas os motivos estavam bem claros; uma guerra civil em breve se iniciaria. Mitsuya ainda era muito jovem e seu apego gigantesco com sua mãe fizera-o sempre estar presente em discussões importantes, embora mal realmente mantivesse preocupações por aquilo, era uma simples e amorosa criança. Se sua mãe chorasse por algo, mesmo que não entendesse, chorava junto.

Tratados foram criados visando estabelecer alguma paz, mas as guerras só aumentavam, desta vez, internamente, até que um massacre fora ordenado. Kaya havia partido forçadamente para as linhas de frente e, os Uchiha perderam contato com a garota. Não se sabe ao certo oque ela passou a partir dali, mas quando voltou, digamos que ela não era mais a mesma. Se matou, deixou de matar ou ainda matará - somente o tempo para responder tantas dúvidas.

Ainda dentro da vila, clãs denominados rebeldes tiveram toda a família destruída e, alguns em específico, como os próprios Uchiha, salvaram somente seus frutos - as crianças ainda podiam ser controladas. Na noite da execução dos pais de Mitsuya, sua mãe fora a última e sua morte ocorreu frente aos olhos do garoto.

...

Para muitos, os Uchiha são abençoados, embora a verdade é um pouco diferente.

Não se sabe ao certo se são amaldiçoados por suas ações no passado ou se simplesmente nasceram para a escuridão, de qualquer jeito, não importa mais. Naquela noite escura, no quarto de Mitsuya - que ainda era criança - sua mãe ajudava-o a dormir. Em sua opinião, ainda não havia brincado o suficiente para um dia tão especial! Seu aniversário! Mas, por algum motivo, sua mãe parecia preocupada e todas as explosões e gritos também eram um empecilho para cair no sono.

Próximo das dez horas da noite, quando a lua ganhava o ar de sua graça, barulhos a partir da porta daquela casa foram escutados e, consequentemente, a quebra deste. A mãe do garoto apressou-se para fechar a porta do quarto do garoto, enquanto mantiveram-se quietos. O coração do garoto parecia que sairia pela boca e, pela primeira vez, o silêncio reinou em todos os lugares. Sua mãe cobriu seus olhos, enquanto sussurrava cantigas de ninar. Aos poucos o sono que tanto esperava, estava chegando.

Possivelmente, com a utilização de uma ilusão, a mulher também fizera seu próprio filho dormir forçadamente. Ela parecia ter previsto aquilo. Ao acordar, o garoto ainda sentia as mãos lisas, embora agora geladas de sua mãe em seu rosto. Ele empurrou-nas com carinho, enquanto levantava-se do colo da mulher, enquanto a tentava a acordar. Algo parecia errado, aquele líquido que saia de sua boca e aquela lâmina que transpassava seu corpo. - Acorde mamãe - Sussurrou o garotinho, ainda não entendo o ocorrido e, abraçando-a.

Sem resposta, ele seguiu para o quarto de seus pais. Ele tinha como ideia, buscar seu pai para ajuda-lo a acordar sua mãe, mas a partir dali, com uma visão nada agradável, teve sua primeira surpresa. Veja bem, o garoto nunca havia visto mortes, não sabia que aquilo ocorria. Era seu primeiro contato com aquela realidade tão crua. Seu pai, aparentemente havia lutado até o fim, seus olhos estavam furados e em seu corpo, dezenas - senão centenas - de espadas, parecia o prender.

Mitsuya sentou-se no chão. O sangue parecia não incomodar. Seus pensamentos estavam vazios, desconexos. Sabe quando você entende algo, mas, de alguma forma, parece não querer entender?

Quando abraçado por seu avô, o garoto nada mais fez do que chorar nos braços do homem. Seus olhos tornaram-se rubros e um chakra estranho - maldito, fizera-se presente. Aquilo não era oque ele queria. Não era oque ele pediu. Trocaria a tudo para simplesmente ter sua vida comum de volta, afinal, do que vale poder se não tem ninguém para lutar?

Pouco tempo passou-se pós tudo aquilo. Mitsuya simplesmente seguia como podia. Não era mais uma criança comum, seu pisque havia sido quebrado, abalado. A criança havia morrido junto à seus pais. Com a volta de Kaya, ao menos um pouco de felicidade fizera com que o garoto reagisse a realidade. Para ele, ela era como um sonho, um apoio, uma família, um tudo. Ela tornou-se a coisa mais importante para ele e ele tornou-se a coisa mais importante para ela.

Seu avô, um homem com ordens diretas ao novo "rei" havia conseguido a vida para as duas crianças. Uma vida repleta de dores. Talvez não valeu tanto a pena, mas em seu âmago, Mitsuya agora desejava vingança - não... não era isto. Era algo como mudar aquela realidade desconexa que havia sido criada a seus olhos e usaria de tudo para isto. Não havia lealdade para com Midori, apenas para Kaya e seu clã.

Ver perfil do usuário

#3
Fuera de línea
em Qua Ago 02, 2017 7:26 pm


avatar


Aceito, interessante tais informações :sei:

Ver perfil do usuário

#4
Fuera de línea
Conteúdo patrocinado





Mensagem [Página 1 de 1]